Morcego violeta

Voo às cegas, todo ouvidos, quedo-me contigo.

Hei de estar dependurado 

Se me lembrares terno, um amigo,

Teu vampiro alado.

Se me alimentas com as graças tuas

Escreves com sangue para o animal

Que te enxerga sob a lua

E do teu espírito se faz comensal.

No meio-dia me senti grávido,

Pensei: é poesia!

No ávido ocaso lamentei.

Era pandemia.

Oh fábula de mim, destino que contenta!

Não permitas que passe por farsante

Este que por descuido comenta

Quem foi teu amante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s