Dungeons and scissors are my best friends

Did Parks show up? I mean, for real, what the hell. Where am I? There is a ceiling over me and that ceiling looks like the one in my bedroom. There is a mirror by my bed and the body reflected looks like mine, there is an aura hovering that body and it smells like regret. I kinda remember him and his mullet. Parks, I don’t even know his first name. Yeah, sure. I can’t trust my mind right now, but who would forget some gorgeous mullets? One can love firm ass, thick thighs, delicate feet or robust chest, but one gotta admit that hair has some decisive influence on attraction. I have that sorrow, melancholic hungover feeling. The next day guilt tries to take my mind over.I feel like it is possible to assure that Parks was here, that he had shots with me and that we danced like there would be no tomorrow. And here I am, in that unexpected tomorrow. So, tomorrow is unreachable, it becomes today in a simple change of a second. Tomorrow is a horse that chases a carrot on a stick. I’m in bed wearing my Victorian vampire costume. Pleased to meet you, I’m Lestat. What a badass Halloween. I am a vampire, but I wish I was a devil. Or am I a devil wishing to be a vampire?

A lot of things seem weird right now, but I still got my morning wood. Oh, the good old feeling of having the Empire State Building between my legs. My girl sleeps like a dead body by my side and vampires are not attracted to the dead. I touch my skin to check if I hurt myself or something. No pain at all. Apparently it was only my brain that got some damage. I know that the party started with no destination and ended in total calmness, kind of the reverse of most parties. I know exactly how I got to bed, so this is not one of those blackout stories. What bothers me is that I can’t remember a single thing after… after… after what? Damn, that whisky shot with Jay! Tim, a true gentleman, offered us an incredible sip of a rare whisky. We drank it at the back of his Tesla. Cheers, to space and friendship and japanese malts and generosity and all of the crap of the universe! It was when the night changed its course. The shots with Jay and Marisa drove me to the idea of smoking. I rolled one and we burned it. Blowed into the air. Turned on hearts, accelerated heartbeats. Yes! Alive again. What a fucking cheesy statement. I can do better than that. It was the first time after four months. So, can you imagine how deep I got into the sea of highness? The whole world is high right now, while these lines are read by some. Inebriated in work, in substances, addicted to flesh or money or gods, everybody is attached to something that kidnaps one’s soul.

One needs a party, one needs celebration. The festive environment amplifies what lies upon human depths. In the beginning I was open, playing the host character. I grilled everyone’s food. The crowd was happy and I was a vampire preparing juicy bloody burgers. Dylan accepted my challenge for any kind of shot he could have. Jager Bomb, he said. He got it. We got it. From happiness I saw myself in a pure state of euphoria. My body was the forbidden fruit, key to all sin. So many different people at the house. Guests that I know, neighbors that I have never seen before. They were joking around. They were eating my girl with naughty eyes, those bastards. It was halloween, the whole place was dark and there were monsters, zombies and ghosts everywhere. But still, the most dangerous thing was men.  I wish all men to perish. I am a lesbian man.

My camera! I always take photos at events like that. Reached out and checked my files. Nothing at all, just one blurred, long exposed frame of some girl on the couch. Who in the hell was that? Blonde, curly haired with a kind of greek outfit. Was it Helen from Troy? Am I impersonating Achilles again? Oh, for god’s sake, it is Taylor! She was here. Or there. Where am I?

My brain, oh boy! My thoughts are now a blended smoothie and I can’t tell what is what. Everything’s mixed in a saturn returned kind of special delivery from space. Taylor could not be here alone and Megan and Cara and the holy spirit followed them. Yes, I remember now! After meeting them I wished I had something to give them as a symbol of friendship. So I ran into my bedroom and I got back with bullet shells. One each. Please keep it with care – I said. Attested hillbilly gift, check. Shots have been fired, I speak for myself in mysterious ways. Am I a god? Some people insist that I was named after one. Fools. Ill-fated beast I am.

The girls, their smell, their laughter. Oh, the photo session inside the bathroom, the bathtub clicks. What a circus. Men, women, goblins, we were all entities seeking for pleasure. Can I toss your salad? Do you wanna find out what dirty Sanchez means? Hey, baby, I can’t stop thinking about motorboating you. Sweetheart, would you like some special, creamy, fresh delivered teabag with me? My girl seems to have a special interest in kinky expressions. The way she learns the English language exceeds any standards. I am a trooper, I fight for justice. May all beings be happy and free. Does it feel like nonsense? Surprised? Get your shit together.

There is an intersection point where happiness meets utter sadness. Suddenly, I was in my closet, sitting on the carpet. I got there after I found out that I may have caused some trouble. Shit, I messed up again. The vent on the floor was blowing warm, dense, filthy air and I could smell remorse on it. My lungs felt heavy and someone would sarcastically say that it was impregnated with whore energy. Makes sense, huh? My mouth went dry and my eyes got wet. Sob of despair or tears of drunkenness, what defines a man the most? I went for a walk and by the witnesses’ testimonies I walked for some good 15 minutes around the neighborhood. I wish I could read the homeowner’s thoughts: there goes the Brazilian ant; what a piece of crap; isn’t he feeling cold?; this guy should walk other people’s dogs, that would be some good, worthy deed.

Sat at the back of my truck where nobody could see me. But I saw poetry in motion. Susan and Pete started walking away from the house and they were just a couple. Cute couple. Some pink halo was floating over them and I was the single observer. I have no clue what goes on between them two but the view was great. I think I could watch them making love. So I stood up and told them how great that sight was. You know, man, one gotta share positiveness and compliments, those things can bright the world up. I said that and told them that I had to go, my time was coming and eventually I would go for good. They got scared, but I insisted. I was a vampire, an impersonated citizen of the shadows and I had to act like one. Vampires go back to their coffins. They tried to hold me for a little bit more. It was in vain. My closet was waiting for me. A vampire must turn into a bat and fly away, stealth in the obscure unknown shadow. Walking back I took back that thought: I would definitely not watch anyone having sex. Haha.

Inside my head there was no party anymore. At that point I could not even explain, but it all felt like a funeral. Well, maybe it was just some vampire thoughts taking over. Back at the floor in my tiny hiding spot, I was spotted. Keith found me. Well, I had no clue it was him in that full body skeleton costume. Who the fuck are you in my closet? It’s me, bro – he said taking off his mask. Damn, I smiled. I love that guy. Yeah, I love him indeed. The day that son of a bitch has a heart attack will be the day when a piece of me will break and that will be unrepairable. He wanted to know things. Well, that is my house and I am the only one who gets the right to know things. Fuck that upset atmosphere. Tequila shots I say. And another joint. So I rolled and gave them away. I poured and served them little glasses to the guests. What a giver. There is way more joy in giving than in receiving. Well, unless it is a blowjob. After the handcrafted, small batched tequila was shared I saw the effusive gratitude on everyone’s faces. Smiles got larger and Keith’s limits got shorter. He made me take photos with the skeleton’s dick in my mouth. Disgusting. Just proved my point, there’s no grace in doing that. Ew. But the freaking costume was funny. It has some kind of pump and the hanging cock starts bouncing around. Those fuckers have that photo. I could be blackmailed. Better buy a gun. A machine gun, rocket launcher or something. This is America, I must blow things up. Just because.

All of the bosses were there. The new and the old ones. Bosses with abundant hair, bald, the bald-to-be ones too. All of them were happy, I guess. Food, music, drinks and this clown here. What could go wrong? Nothing, it was Sunday night and on monday all venues would be closed. Even the sober people knew that it could not get any better. Do I entertain my friends with my craziness? It seems like that. Comfort comes from the ones you surround yourself with, not from cozy furniture. One finds better shelter in someone’s barest arms than in an empty fortress.

My friend is called Dakota but I named her Cotton Candy Kota. Sadie became Sweet n’ Sour Sadie. I am Rick Jethro, I am the Ready Man. The other day I reached her to solve a question:

– Hey, Cotton Candy Kota, where would you go around here…

– For a blowjob? – she said.

– For coffee!

Here are your chug masters and the hanger man! The piano bar is where love morphs from an idea into a Thing. And one can not define a Thing. Reviser, please keep the capital T.

Tequila can raise you to another level and on that level you become oblivious of the passage of time. Two, three, five in the morning. Our bodies were expanding along all the black matter of the universe. I was a puppet of myself. So, I started telling people a defying story about socks and motorbikes. Dirty socks. Bikes and socks, dirty because, you know, nobody said a word about shoes. Just socks and wheels and the dusty road. The moment of such a masterpiece storytelling is called the edge. You cross it and you can face instant blackout or sky-high euphoria. Second option, I took it. What came next was repetitive accesses of laughter. I can remember at least three times I was on the floor, crawling, laughing until I got abdominal cramps. Oh yes, all of that washed my tears away from inside out.

People started telling me that they were about to leave. Fuck no, 15 bucks per hour for you to stay. C’mon! Cash, no taxes, just take it, bitch.

I put it down words but I can not reach it all. The totality of what it was, nobody knows. My providential amnesia gives me the gift of needing my beloved ones to fire up the blaze of memory using their inflammable hints. What a spectacle. This is the stage and we perform. We change clothes, we are many. Outfits, speeches, choreography, wigs! Fucking wigs! By the way, where is mine?


Masmorras e tesouras são minhas melhores amigas

Parks apareceu? Quer dizer, de verdade, que diabos. Onde estou? Há um teto sobre mim e esse teto se parece com o do meu quarto. Há um espelho ao lado da minha cama e o corpo refletido parece o meu, há uma aura pairando naquele corpo e cheira a remorso. Eu meio que me lembro dele e dos seus mullets. Parks, eu nem sei o primeiro nome dele. Sim, claro. Não posso confiar em minha mente agora, mas quem esqueceria alguns lindos mullets? Pode-se amar bunda firme, coxas grossas, pés delicados ou peito robusto, mas é preciso admitir que o cabelo tem influência decisiva na atração. Tenho aquela sensação de tristeza e ressaca melancólica. No dia seguinte, uma culpa tenta tomar conta da minha mente. Sinto que é possível garantir que Parks estava aqui, que ele tomou umas comigo e que dançamos como se não houvesse amanhã. E aqui estou eu, no bendito amanhã. Então, amanhã é inalcançável, torna-se hoje em uma simples mudança de segundo. Amanhã é um cavalo que persegue a cenoura presa à vara. Estou na cama usando minha fantasia de vampiro vitoriana. Prazer em conhecê-lo, sou Lestat. Que Halloween foda. Eu sou um vampiro, mas gostaria de ser um demônio. Ou sou um demônio desejando ser um vampiro?
Muitas coisas parecem estranhas agora, mas ainda tenho minha ereção matinal. Ah, uma boa e velha sensação de ter o Empire State Building entre minhas pernas. Minha garota dorme como um cadáver ao meu lado e os vampiros não são atraídos pelos mortos. Toco minha pele para verificar se me machuquei ou algo assim. Sem dor alguma. Aparentemente, foi apenas meu cérebro que sofreu algum dano. Sei que a festa começou sem destino e acabou com uma tranquilidade total, meio que ao contrário da maioria das festas. Eu sei exatamente como fui para a cama, então esta não é uma daquelas histórias de apagão. O que me incomoda é que não consigo lembrar de nada depois … depois … depois do quê? Droga, aquela dose de uísque com Jay! Tim, um verdadeiro cavalheiro, nos ofereceu um gole incrível de um uísque raro. Bebemos na parte de trás de seu Tesla. Saúde, ao espaço e amizade e maltes japoneses e generosidade e todas as porcarias do universo! Foi quando a noite mudou de curso. As doses com Jay e Marisa me levaram à ideia de fumar. Enrolei um e queimamos. Soprando no ar. Corações ligados, beats acelerados. Sim! Vivo de novo. Que declaração cafona de merda. Posso fazer melhor que isso. Foi a primeira vez depois de quatro meses. Então, você pode imaginar o quão fundo eu entrei no mar das alturas? O mundo inteiro está em alta agora, enquanto essas linhas são lidas por alguns. Inebriado de trabalho, de substâncias, viciado em carne ou dinheiro ou deuses, todos estão apegados a algo que sequestra a alma.
É preciso uma festa, é preciso comemorar. O ambiente festivo amplifica o que existe nas profundezas humanas. No começo eu estava aberto, interpretando o personagem anfitrião. Grelhei a comida de todos. A multidão estava feliz e eu era um vampiro preparando hambúrgueres sangrentos e suculentos. Dylan aceitou meu desafio para qualquer tipo de chance que ele pudesse ter. Bomba de Jager, disse ele. Ele reflete. Nós temos isso. De felicidade, me vi em puro estado de euforia. Meu corpo era o fruto proibido, chave para todos os pecados. Tantas pessoas diferentes na casa. Convidados que eu conheço, vizinhos que nunca vi antes. Eles estavam à vontade. Estavam comendo minha garota com olhos travessos, aqueles desgraçados. Era dia das bruxas, todo o lugar estava escuro e havia monstros, zumbis e fantasmas por toda parte. Mesmo assim, a coisa mais perigosa eram os homens. Eu desejo que todos os homens morram. Eu sou um homem lésbico.
Minha câmera! Sempre tiro fotos em eventos como esse. Alcancei-a e busquei meus arquivos. Absolutamente nada, apenas uma imagem borrada e exposta de alguma garota no sofá. Quem diabos era essa? Loira, cabelos cacheados com uma roupa meio grega. Helen de Tróia? Estou personificando Aquiles de novo? Ai, pelo amor de Deus, é Taylor! Ela estava aqui. Ou lá. Onde estou?
Meu cérebro, oh garoto! Meus pensamentos são agora um smoothie misturado e não posso dizer o que é o quê. Tudo está misturado em uma espécie de retorno de Saturno na entrega especial do espaço. Taylor não poderia estar aqui sozinha e Megan e Cara e o espírito santo as seguiram. Sim, eu me lembro agora! Depois de encontrá-las, desejei ter algo para lhes dar como símbolo de amizade. Corri para o meu quarto e voltei com cartuchos de bala. Um para cada. Por favor, guarde com cuidado – eu disse. Presente caipira atestado, confere. Tiros foram disparados, eu falo por mim e em maneiras misteriosas. Eu sou um deus? Algumas pessoas insistem que fui batizado com o nome de um. Tolos. Fera malfadada eu sou.
As meninas, seu cheiro, suas risadas. Ah, uma sessão de fotos dentro do banheiro, a banheira estalando. Que circo. Homens, mulheres, gnomos, todos éramos entidades em busca de prazer. Posso temperar sua salada? Você quer descobrir rir o que significa Sanchez sujo? Ei, baby, não consigo parar de pensar em andar de barco a motor em você. Querida, quer um saquinho de chá especial, cremoso e fresco entregue por mim? Minha garota parece ter um interesse especial em expressões pervertidas. A maneira como ela aprende a língua inglesa excede todos os padrões. Eu sou um soldado, luto por justiça. Que todos os seres sejam felizes e livres. Parece um absurdo? Surpreso? Junte suas merdas.

Existe um ponto de intersecção onde a felicidade encontra a tristeza absoluta. De repente, eu estava no meu closet, sentado no tapete. Cheguei lá depois de descobrir que posso ter causado alguns problemas. Merda, eu errei de novo. O respiradouro no chão soprava um ar quente, denso e sujo e eu podia sentir o cheiro de remorso nele. Meus pulmões estavam pesados ​​e alguém diria sarcasticamente que ele estava impregnado de energia de prostituta. Faz sentido, hein? Minha boca ficou seca e meus olhos molharam. Soluços de desespero ou lágrimas de embriaguez, o que mais define um homem? Fui dar um passeio e pelos depoimentos das testemunhas caminhei uns bons 15 minutos pela vizinhança. Gostaria de poder ler o pensamento dos vizinhos: lá vai a formiga brasileira; Que porcaria; ele não está com frio?; esse cara deveria passear com os cachorros de outras pessoas, isso seria uma ação boa e digna.
Sentei na parte de trás da minha caminhonete, onde ninguém poderia me ver. Daí eu vi poesia em movimento. Susan e Pete começaram a se afastar de casa e eram apenas um casal. Casal fofo. Algum halo rosa estava flutuando sobre eles e eu era o único observador. Eu não tenho ideia do que se passa entre os dois, mas a vista era ótima. Acho que poderia vê-los fazendo amor. Então eu me levantei e disse a eles o quão grande era aquela visão. Sabe, cara, é preciso compartilhar positividade e elogios, essas coisas podem iluminar o mundo. Eu disse isso e disse a eles que tinha que ir, minha hora estava chegando e eventualmente eu iria para sempre. Eles ficaram com medo, mas eu insisti. Eu era um vampiro, um cidadão personificado das sombras e tinha que agir como tal. Os vampiros voltam para seus caixões. Eles tentaram me segurar um pouco mais. Foi em vão. Meu armário estava esperando por mim. Um vampiro deve se transformar em um morcego e voar para longe, furtivamente na obscura sombra desconhecida. Caminhando de volta, retirei aquele pensamento: eu definitivamente não assistiria ninguém fazendo sexo. Haha.
Dentro da minha cabeça não havia mais festa. Naquele ponto eu não conseguia nem explicar, mas tudo parecia um funeral. Bem, talvez fossem apenas alguns pensamentos de vampiros assumindo o controle. De volta ao chão, em meu minúsculo esconderijo, fui localizado. Keith me encontrou. Bem, eu não tinha ideia de que era ele naquela fantasia de esqueleto de corpo inteiro. Quem diabos é você no meu closet? Sou eu, mano – disse ele tirando a máscara. Droga, sorri. Eu amo aquele cara. Sim, eu o amo de verdade. O dia em que aquele filho da puta tiver um ataque cardíaco será o dia em que um pedaço de mim se quebrará e não poderá ser reparado. Ele queria saber coisas. Bem, essa é a minha casa e eu sou o único que tem o direito de saber das coisas. Foda-se essa atmosfera perturbada. Eu digo doses de tequila. E outro baseado. Então eu enrolei e os distribuí. Eu derramei e servi os copinhos aos convidados. Que doador. Há muito mais alegria em dar do que em receber. Bem, a menos que seja um boquete. Depois que a tequila artesanal feita em pequenos lotes foi compartilhada, vi a gratidão efusiva no rosto de todos. Os sorrisos aumentaram e os limites de Keith diminuíram. Ele me fez tirar fotos com o pau do esqueleto na boca. Repugnante. Acabei de provar meu ponto, não há graça em fazer isso. Ai credo. Mas a maldita fantasia era engraçada. Tem algum tipo de bomba e a torneira pendurada começa a pular. Esses filhos da puta têm essa foto. Eu poderia ser chantageado. Melhor comprar uma arma. Uma metralhadora, um lançador de foguetes ou algo assim. Esta é a América, devo explodir coisas. Só porque.
Todos os chefes estavam lá. Os novos e os antigos. Chefes de cabelos abundantes, calvos, os carecas também. Todos eles estavam felizes, eu acho. Comida, música, bebidas e esse palhaço aqui. O que poderia dar errado? Nada, era domingo à noite e na segunda todos os locais estariam fechados. Mesmo as pessoas sóbrias sabiam que não poderia ficar melhor. Eu entretenho meus amigos com minha loucura? Parece que sim. O conforto vem daqueles com quem você se cerca, não de móveis aconchegantes. Encontra-se melhor abrigo nos braços mais nus de alguém do que em uma fortaleza vazia.
Minha amiga se chama Dakota, mas eu a chamei de Cotton Candy Kota. Sadie se tornou Sweet n ‘Sour Sadie. Eu sou Rick Jethro, sou o Homem Pronto. Outro dia eu falei com ela para resolver uma questão:

– Ei, Cotton Candy Kota, aonde você iria por aqui …

– Para uma chupada? – ela disse.

– Para um café!

Aqui estão os mestres do vira-vira e o cabideiro! O piano bar é onde o amor se transforma de uma ideia em uma Coisa. E não se pode definir uma Coisa. Revisor, por favor, mantenha o C maiúsculo.
A tequila pode elevá-lo a outro nível e, nesse nível, você se torna alheio à passagem do tempo. Duas, três, cinco da manhã. Nossos corpos estavam se expandindo ao longo de toda a matéria negra do universo. Eu era uma marionete de mim mesmo. Então, comecei a contar às pessoas uma história desafiadora sobre meias e motocicletas. Meias sujas. Bicicletas e meias sujas porque, sabe, ninguém falou nada sobre sapatos. Apenas meias e rodas e a estrada empoeirada. O momento dessa narrativa é chamado de limite. Você o atravessa e pode enfrentar um blecaute instantâneo ou uma euforia às alturas. Segunda opção, eu escolhi. O que veio a seguir foram acessos repetitivos de risos. Lembro-me de pelo menos três vezes que fiquei no chão, rastejando, rindo até ter cólicas abdominais. Oh sim, tudo isso lavou minhas lágrimas de dentro para fora.
As pessoas começaram a me dizer que estavam prestes a ir embora. Porra, não, 15 dólares por hora para você ficar. Vamos lá! Dinheiro, sem impostos, apenas peguem, vadios!
Eu coloco palavras, mas não consigo alcançar tudo. A totalidade do que foi, ninguém sabe. Minha providencial amnésia me dá o presente de precisar que meus entes queridos acendam a chama da memória usando suas dicas inflamáveis. Que espetáculo. Este é o palco e nós atuamos. Mudamos de roupa, somos muitos. Trajes, discursos, coreografias, perucas! Porra de perucas! A propósito, onde está a minha?

Spray, Sparta, Spyro Gyro

De dentro da cozinha vinha o grito:

⁃ MERDA!

Seguia-se um tapa na bancada. Isso significava que mais um pedido tinha saído errado. O cozinheiro ia à loucura. Tudo tem limite, ou deveria.

Ouvi um cara dizer que era iraniano, simpático às tampas. Cheguei mais perto, falei:

⁃ حال شما چطور است؟

Ele não entendeu. Fui mais perto da sua orelha e repeti:

⁃ حال شما چطور است؟

Ele estalou os olhos. Estendeu o braço e apertamos as mãos.

⁃ Você falou Farsi perfeitamente, sem sotaque. Como sabe a minha língua?

⁃ Ah, cara, eu já fui um negociador de tâmaras por aquelas bandas.

Entusiasmado, passou seu telefone e disse que em duas semanas estaria em Teerã e queria que eu me hospedasse na casa de sua família. Em duas semanas eu completo 35 voltas em torno do sol. A data tão temida. Eu poderia ter explicado que aprendi três frases em Farsi com aquele simpático grupo de iranianos que buscou um avião na TAM em São Carlos, no longínquo ano de 2007. Acontece que eu sempre quis negociar tâmaras. Sucesso garantido.

Duas mesas para a direita e uma moça parecia deslocada. Quando tomei conhecimento da sua história, senti uma pontada no baixo ventre. Exatamente um ano atrás, seu marido a aguardava na sala de estar para que fossem às ruas para uma noite de lazer. Enquanto esperava, decidiu limpar sua arma. Por acidente, ela disparou e ele se foi. Exatos 365 dias atrás. Eles iriam para o mesmo bar. Isso não é triste, meu chapa, é entristecedor. E há grande diferença entre as coisas. É necessário dominar a língua para traduzir a melancolia.

Procurei meu celular e enviei algumas mensagens de amor aos entes queridos. A gente nunca sabe.

Na América o verão é desejado, mas se mantém desdenhoso. Ele sempre passa. Por isso há tanta vida nas calçadas, nos pátios, nos parques. As pessoas aproveitam porque sabem que acaba. O oposto do que costumam fazer nos relacionamentos. Pensam que é para sempre. E já dizia a Cássia Eller…

Carrego uma lista de expressões para brindar em diferentes línguas.

Nazdrave, em búlgaro. Nazdarovia, em russo. Parecido, mas não vá cometer e lambança de dizer que é tudo igual. Ofensa na hora de encher a cara pode resultar em um dente quebrado. Ou abandono. Zivelji em croata. Aí você deve estar se perguntando porque tantas expressões vindas do leste europeu. Deixa isso pra lá, come on!

Bebendo rum puro com a Larissa na Tailândia em uma sarjeta de Bangkok, fomos abordados por duas garotas.

⁃ Oh, vocês bebem muito!

⁃ Err, obrigado?

⁃ Não estamos acostumadas a ver uma garota beber assim com tanta liberdade. Temos até uma expressão para isso. Lumyong, significa moça bonita que bebe whisky.

Hoje é sábado, amanhã é domingo, nada como o dia para passar. Saravá, Vinicius. Como não sou uma árvore e não crio raizes – só razões – posso sempre me levantar e caminhar. E mudar, de cor, de opinião, de amigos e de motivos. Cobra que não muda de pele morre.

Um conto de Boston – parte 3

Penso que deve haver algo de grandioso neste salutar exercício de dar seguimento aos registros apócrifos que encontro, há três semanas, no mesmo lugar e por volta do mesmo horário, na estação norte de trens de Boston. Estava distraído me despedindo de Margareth e quase passei do ponto. Recomendava que ela usasse arnica em seu joelho em alternativa aos fármacos convencionais quando me dei conta que já tinha dado uns dez passos além do cantinho onde costuma estar a carta dobrada, com as margens puídas e letra garranchosa, um baú de intimidades recalcitrantes e confidenciadas sem pudor ou padrão ético. Despedi-me bruscamente de Marge e enviei minhas saudações a Donald. Virei-me e driblei a tropa de cidadãos que marchava impiedosa. Lá estava o pergaminho.

As semanas têm passado mais rápido ou é impressão minha? – existe papo de elevador mais enfadonho que esse? Eu sorri quando a moça exibiu toda a sua genialidade atemporal na tentativa de interagir comigo. Não podia perder a oportunidade. Respirei fundo e falei “sim, tem razão. É um fenômeno observado primariamente na Suiça, por uma junta internacional de cientistas dedicados ao tempo e suas ranhuras. Chama-se inter-relatividade de camadas bósicas não discriminada em funções derivadas, vulgarmente conhecido por subjetividade quântico-temporal.” Silêncio. O elevador apitou – plim! – e eu cheguei ao andar do laboratório de análises clínicas. A cara da garota era impagável. Se fosse uma pizza, seria meia indignação, meia dúvida. Será que eu falava sério? Os outros ocupantes da máquina ascensora estavam todos, ao exemplo da minha interlocutora, com os lábios entreabertos em espanto. Um senhor olhava repetidamente seu relógio de pulso e dava umas pancadas. Continuei sorrindo e saí daquele microcosmos de frivolidade. Estava livre do papo morto, mas ainda tinha o exame para fazer. A lei de compensação divina poderia muito bem equilibrar aquela cretinice com um diagnóstico positivo. Tem coisa pior que aguardar para abrir o envelope com resultado de exames de sangue? Tem, ah se tem. Presunção de conteúdo por livre exercício do pensamento. Gente que fala sem saber, na linguagem popular.

Tenho um vizinho que é muito divertido. Gosta de beber bebidas baratas e ficar embriagado. Quando compro alguma bebida mais cara e abro para nós bebermos, ele não se impressiona. Sujeitinho engraçado. Gosta de tecer suas opiniões e eu sou o melhor dos ouvintes. Absolutamente tudo o que ele reporta como suas ideologias é o oposto de sua conduta. Se ele fala que não gosta de futebol, eu rio. Domingo à tarde, posso ouvir seus gritos apaixonados enquanto assiste a uma partida qualquer. A contradição me encanta. Ele se diz anti-capitalista, no entanto… recebe um salário mínimo. Acho que os paradoxos, esses caprichos de arquétipos não previsíveis, inconstantes e fronteiriços, nos unem de uma forma sutilmente comprometedora.

Ontem à noite levei muito tempo até conseguir adormecer. Alguém no prédio ouvia Madonna no último volume. Deve ter riscado o disco. Eu gosto da Madonna, ela tem garra. Antes de ficar famosa, posava nua para artistas. Fotografaram, pintaram as suas curvas e também aquela pinta que ela tem acima da boca. Que sorte a desses caras. Será que ela também realizava alguns favores íntimos em vista de uns trocados? Tem um cara muito bacana, polêmico (ao menos lá no Oregon hehe), uma espécie de guru indiano que manda bem nas colocações. Ele se chama Osho. E Osho disse que “toda vez que ele encontra uma prostituta, ela quer falar sobre Deus e sempre que se reúne a um homem religioso, ele quer falar sobre sexo.” Tudo o que nós negamos a nós mesmos se torna a nossa prisão mental. A renúncia aos desejos não é um caminho fácil para a felicidade. Tenho grande apreço pelas profissionais do sexo, conheci algumas. Já namorei uma. Gente que suporta humilhações, situações desagradáveis e extremos cotidianos em troca de dólares. Quase igual à maioria da sociedade trabalhadora, só que com a diferença de um genital a mais entre as pernas.

Salvei um cavalo no meu último aniversário, um cavalo da polícia montada. Chovia bastante, eu estava encostado no balcão de uma cafeteria. O rapaz que manuseava a máquina de espresso usava um avental de sarja, levava uma boina mostarda de couro de porco na cabeça e óculos sem armação pendurados em um nariz que fazia sombra ao bigode longo e redondo que lhe cobria os lábios. Ele tinha um pano de pratos branco no ombro direito que a toda hora usava para enxugar copos e xícaras. De repente, parou e desarmou a empunhadura de secagem. Ficou com os olhos bem abertos, como a sua boca, olhando para a rua exibida pela fachada de vidro da pequena lojinha. Estava de costas e me virei. Um grande, todo paramentado cavalo empinava as patas em plena avenida. Que cor linda, aquele negrume retinto que reluzia à luz dos relâmpagos que iluminavam o céu. Assustado, o animal relinchava, sacudia o corpo e ameaçava uma tragédia. Eu estava só, bebendo meu café em paz. Os carros buzinavam. Aproximei-me da porta, abri, vasculhei as redondezas e não vi ninguém vindo em socorro. Tirei minha roupa – calma lá, fiquei de calças – e caminhei até o bicho. Sei que não se deve encarar um equino direto nos olhos, mas eu queria sentir a dor dele. Queria decifrar seus pavores, o que havia levado àquele rompante histérico, àquele vexame público. Fui chegando e conversando com ele: “Hey Timothy, calma aí cara, tá tudo numa boa.” Ele gostou do nome. Tim relaxou, eu tomei suas rédeas e o conduzi à calçada. Fazia carinho nos seus pêlos úmidos e coçava seu pescoço. O público gritava, aplaudia. Eu tinha salvado o dia. Logo surgiu uma policial mulher, na sua farda azul escura decorada com a vergonha de uma falha tão monumental. Como ela havia se descuidado daquele bem tão precioso? O sorriso amarelo era o suficiente. Não precisava lhe dar nenhuma lição de moral, afinal, submeter outros ao ridículo é um pecado grave. Eis outro mantra. Sofri com o cavalo a dor de ficar exposto, desencontrado, ansioso. Vulnerável. Que história, não? Parece até mentira, mas não é. Voltei, ensopado, para o café. Não precisei pagar a conta. Sensibilizei-me com o bicho, sensibilizaram-se com o animal aqui.

Tive dores na semana passada, atrás da perna. Surgiram após uma noite de excessos. A investigação foi frustrante porque não podia indicar uma razão plausível para as pontadas que em dois dias passaram. Delírio? Ilusão? Negacionismo? Cerveja gelada. Bebi para passar. Funcionou. Pensar não é pop. Cerveja é pop. Para dores, pop culture.

Não fui ao encontro do terapeuta. Ele que veio até a mim, o desavergonhado. Se eu fosse uma casa com a maçaneta trancada, ele seria o pé de cabra. Aliás, justiça seja feita, ele não é terapeuta e sim médico. Médico psiquiatra. Eu achava que uma coisa levava à outra. Queria que ele me levasse a algumas drogas, hahaha. Gosto demais do sujeito, ele tem fome por provocação. Isso é tenebroso e audaz, uma arte que torna a conversa mais saborosa, instigante, espontânea. Falo vários idiomas, dentre os quais o anglo saxão. O doutor fala inglês, ora veja só. Percebi que não falamos a mesma língua. Dia desses ele se interessou por obras que eu ando lendo. Fez algumas perguntas e eu as respondi. Sabe aquelas impressões pessoais sobre algo que você tem contato? Pois então, são como um couvert de restaurante com azeitonas, pão e salaminho. Abrem o apetite mas, para matar a fome, tem que se pedir o prato principal. Eu dizia:

– Bukowski era um gênio da escrita simples e envolvente, aquele velho desgraçado.

– Curioso que, dentre tantos expoentes românticos e floreios realistas, você opte por se projetar naquela crueza porca. O que resta?

– Devagar…

– Exato, por que será que a fraqueza de se ver assemelhado a algo tão pouco nobre incomoda?

– Devagar…

– Posso divagar mais, muito mais.

– DEVAGAR!”

Um conto de Boston – parte 2

Parece que há grande prazer no jogo das migalhas jogadas ao léu. Passou-se uma semana, a sexta-feira chegou, e havia mais um papel dobrado sobre o banco que dá para os trilhos da estação ferroviária norte de Boston. O local era o mesmo, a minha surpresa foi a mesma. Outro recibo semanal, um resumo da jornada de um alguém que eu sequer sei se me observa à distância. Não posso manter para mim estas palavras que seguem. Se guardasse ou jogasse fora, daria no mesmo, mataria a história por omissão. Algo me sussurra a necessidade de compartilhar a voz alheia. O antes despretensioso papel dobrado agora tinha apresentação:

“A quem interessar possa…

Começo me redimindo da deselegância. Garanto que não derrubarei comida nenhuma sobre esta folha. Quando era mais novo, meu irmão me ensinou um truque para conferir mais idade a uma carta. Você derrama chá mate sobre a página e depois queima levemente as bordas a fim de conferir um aspecto ancestral ao papel. O chá dá um tom amarelado de coisa antiga. Meu pai é já um senhor de idade, mas não é pela cor que entrega a idade. É antigo, mas não é amarelo, é branquinho. Não cora as bochechas nem quando mente ou quando fala umas sem-vergonhices. Senhor do bem, velhinho dos bons. Se tem um fato que me dá uma ardente alegria, esse é o do meu genitor não se conformar com a minha escrita. Onde ele procura romance e rimas fesceninas tem encontrado relatos crus do dia-a-dia. Daí ele me presenteou antes de ontem. Disse que o tripé por onde se equilibra o meu pensamento é formado por mordacidade, ironia e cinismo! Pater Deo, meu pai que é deus!

Faz um frio danado hoje. Semana passada o termômetro marcava -1,1°C, hoje está em -4,4°C. Será que dá sorte esses números repetidos? Sorte para o cara que vende luvas na entrada da estação, sem sombra de dúvida. Eu contei para o terapeuta que tinha ganhado tais elogios do meu pai e ele provocou se ironia e cinismo não eram a mesma coisa. Respondi verbalmente que não, balançando a cabeça de cima a baixo demonstrando “sim”. Cinismo é a doutrina filosófica grega que estabelece as vantagens de uma vida simples e natural, cujos valores principais eram buscados no desapego às normas sociais, bens e riquezas, sendo efetivada através do autocontrole. Cínico, portanto, é quem demonstra desprezo pelas normas sociais ou pela moral estabelecida; atrevimento, descaramento, despudor.

Reparei há pouco que duas verdades hão de se perpetuar ad eternum: o açúcar é uma coisa que deixa o café muito amargo quando nele não é posto e que a situação no Brasil é grave, mas não é séria.

A vida aqui nos Estados Unidos é tranquila com pitadas de alerta, mas os perigos são outros. Na terra do tio Sam há os assassinos em série, uma gente que sofre de patologias da psique e que põe em prática atos violentos contra outros humanos ou animais. Mês passado executaram um tal de Ted Bundy, o cara era um facínora. Fritaram o cara na cadeira elétrica. No Brasil a gente não sofre desses medos, mas, por outro lado, parece que às vezes somos comandados por psicopatas referendados pelo próprio povo. É cada uma. A vida não é de brincadeira, embora possa ser muito divertida. O que confunde é que costumamos levar farra a sério e o que é importante na piada. No último sábado, resolvi mimetizar os grandes escritores da sarjeta e tomei um porre com requintes de romance. Bebi todo vinho que comprei, três litros, e fumei dois maços de cigarro na companhia de duas atraentes damas. Uma delas era loira e de baixa estatura, a outra de longos cabelos negros e quase da minha altura. Eu tenho um metro e noventa centímetros, ela 1,85. A baixinha era um pedaço de mau caminho, a outra era o caminho inteiro. Encontrei-as na mesa ao lado e levantei a minha taça em um brinde simpático. Sentamos juntos e não nos apresentamos. Tombo as palavras sobre este papel sem poder dar-lhes nome ainda que as tenha carregado em lembranças vívidas sobre o tecido vermelho que me recobre os lábios. Ao me dirigir à mesa vizinha, afastei a terceira e vazia cadeira e estendi minha mão dizendo boa noite. Sem que se levantassem, cada uma me puxou e me beijou na boca. Fiquei entusiasmado. Elas tinham um sotaque diferente, mas a embriaguez compromete a lembrança da nacionalidade. Devem ser russas, eles beijam na boca por lá ao se cumprimentarem, eu acho. Não faço ideia, tampouco importa, não tenho planos de visitar o leste europeu tão cedo. Uma pena. Conheci uma russa uma vez, eu amava conversar com ela. Ouvia, ouvia e ouvia. Ávida por beber do meu conhecimento, modéstia à parte, que nutro com longos goles nas fontes imortais dos gregos aos contemporâneos. Até que um dia lhe perguntei sobre um assunto tal: “o que você acha disso?” Ela respondeu “até que enfim você quer saber a minha opinião sobre algo”. Aquilo foi um banho de sabedoria, não a opinião em questão sobre um determinado assunto, mas a lição de que eu a deveria ouvir também. Desci do meu degrau de orador intocável e aprendi mais com ela, que tinha extenso tesouro intelectual guardado dentro da mente. Já no sábado, bêbados e tresloucados, a conversa foi outra. Em dado momento, uma delas passou a querer divagar sobre assuntos que ela não conhecia, mas eu sim. Calei. Era um suplício e eu estava fumando cigarros. Eu não fumo cigarros. Quis impressionar. Já se foram seis dias desde aquele encontro e eu continuo a tossir feito cachorro. Será que os cães satirizam uns aos outros dizendo que estão com tosse de humano? A necessidade de expressão da moça era tanto que não aguentei, remanejei o tema. Ela insistia. Recusei a réplica, ela se ofendeu. Bebi o último trago, saudei as donzelas e parti. Contei para o terapeuta e ele fez o que faz de melhor, desnudar as minhas inconsistências prático-teóricas. Que grande filho da puta. Eu ou ele? Os dois. Fiquei vulnerável, logo eu. Todo tolo gosta de ouvir que é importante. Eu prefiro os insultos, são mais palpáveis.

Será que alguém encontrou a carta que deixei aqui, neste mesmo banco, há sete dias? Será que foi parar no lixo? Observo os transeuntes e eles parecem muito distantes. Não como os meus parentes que estão separados por milhares de quilômetros geográficos, mas afastados em presença. Alguns parentes são ótimos justamente à distância, mas um fracasso na convivência próxima. Os usuários do trem olham com estranheza o chumaço de papel e a garrafa de café que levo a tiracolo. Desde que li um tal filósofo indagar “devo tomar café ou me matar?”, agarrei-me ao filtrado. Talvez soe inocente, mas é científico: há de se estar vivo para beber café. Puta sacada. Ainda assim, escrevo a eles, com eles, por eles. Quiçá sou lido, com certeza preterido. Bukowski tem me matado, por fora. Por dentro, enche de ganas para registrar acontecimentos. Externamente, faz com que eu sinta glamour no álcool e no cigarro. Preciso de um xarope – ah! Que saudade da água de coco do Brasil! O café acabou e o nariz começou a escorrer. Finalizo com efusivas saudações ao primeiro que percorrer estas linhas, mesmo que sejam os micróbios que habitam os latões de despejo reciclável. Escrevo para todos e para ninguém.”

Gemada

Estou cego, com os olhos abertos nada posso enxergar! Doem-me as retinas ao contato com a luz inconveniente que insiste em brilhar mesmo aos fotofóbicos. As cortinas deste quarto mulambento são tão eficientes quanto o estado brasileiro na garantia do bem-estar social. A película negra que foi aplicada diretamente nas janelas está cheia de furos e não consegue manter a escuridão desejada. Feito eu mesmo na noite passada, ao implorar que aquela garota não me servisse mais doses de cachaça, as súplicas não valeram de nada como agora o papel adesivo não faz frente aos raios de sol. Minha cabeça dói e eu reflito se acaso algum outro animal sofre de dor de cabeça ou se é só o ser humano agraciado com esse dom. Cachaça é uma maneira muito polida de me referir àquela bebida que me foi imposta goela abaixo há menos de doze horas. Pinga, cana, mé, coisa de mendigo, mucuri ou meu caralho, tanto faz. Dada a dor que sinto no corpo, devo estar paralítico além de cego.

Sento-me na cama e sinto uma forte onda se formar no estômago, pronunciando esôfago acima um arroto tóxico que precede o vômito. Não me vejo inclinado a perder a batalha orgânica e me concentro de modo a não regurgitar. Botar para fora o que já não tenho seria um erro, fazendo-me, além de cego e paralítico, vítima de um colapso mental profundo. Bastava ela ter respeitado os meus nãos, penso comigo mesmo. Mas, a cada não, ela sorria jogando os cabelos para trás e forçava a rodada de bebida. Ela não era do tipo linda mas ostentava a bunda mais perfeita do bar e eu, bem, sou cafajeste, a verdade seja dita. Filha de uma puta, trepou e foi embora sem se preocupar com a minha ressaca! Algo me dói entre as nádegas mas eu prefiro não pensar sobre isso, afinal, cego e paralítico e atrasado mentalmente até que dá para aceitar mas, desculpem-me, desvirginado não. Ela deve ter apimentado as coisas e eu devo ter aceitado, ou não, não tenho memória disso.

Meia hora controlando os impulsos regurgitantes e já não os sinto mais. Já consigo enxergar a porta e mexer as pernas, mas parece que o dano neurológico foi permanente. Não que eu (nem ninguém) me considerasse normal antes da noite de ontem mas, ao que tudo indica, um buraco deve ter se formado no meio do cérebro após beber daquela aguardente radioativa. Vou ao banheiro e mijo talvez por uns vinte minutos. Graças a Deus não o fiz na cama, uma vergonha a menos. Será que ela pagou a conta? Será que eu paguei? Será que a lazarenta mexeu na minha carteira e levou meus módicos trocados? Confiro e está tudo lá. Maluca sim, mas com princípios. Quem dera eu pudesse lembrar do sexo, da corrida no uber, do maldito nome dela. Graziela, Mariela, Antonela? Ao pronunciar os fonemas me veio naturalmente, ironia do destino, uma vontade louca de matar a fome com galinha de cabidela. Ridículo! – pensei – necessito de gordura e não de sangue… Sangue! Ela estava menstruada – lembrei e corri de volta ao colchão para constatar que estava manchado com uma larga poça vermelha. Uau, minha cama havia se tornado a parede de uma caverna medieval com pintura rupestre crua. Valei-me. Só uma gemada e um café forte me salvariam.

Três gemas grandes de ovos vermelhos, três colheres de sopa bem cheias de açúcar refinado e mais três colheres iguais de leite em pó. Bater generosamente com a colher em uma caneca funda a fim de se conseguir um creme viscoso e amarelo. Ao sabor do freguês, uma dose de vinho do porto é conveniente adicionar. Que coisa maravilhosa. Doce, gordurosa, calórica e digna dos monges beneditinos mais exigentes. O café restabelece minhas pupilas dilatadas e o açúcar esquenta as orelhas.

Meus ovos vicejam e há a perspectiva de um domingo, porque hoje é sábado.