Sobre ver estrelas

Galileu em sua alcova
com a Lua em pleno arcano
ao deleite de uma dama
incendiou-se feito o Astro


Profano, mas virginal
deu de ombros para o cosmos
entorpecido em certo grau
que lhe governavam as vontades
de uma cabeça inconsequente
de Príapo a semelhança
fálica e sensual


Apaixonado pela cona
debruçou-se sobre a fenda


Com efeito, toda sua
oh nascedoira do orvalho
veluda, embora nua
muda em forma pura
com lábios que a protegem
por um talho separados


Se de frente irriga a vida
de soslaio a sacia
em lampejos do furo livre
desta carne libertina
tão onírica
qual riquíssima
que lhe abunda a poesia


Devassidão celestina, ópio nefelibata!


O acrobata se eleva quão faminto a devora
avante se esmera e a fundo nela ancora
o membro que pulsa rijo na gruta por onde chora


‘Onde?’ – invoca o bode
Ela sussurra – ‘em mim!’
sobre a cama em deleite na pele hirsuta, constelado
o sátiro, comovido, derrama o leite
em um útero anavalhado


Asceta? Amava a vulva de si acima
que o fazia ver estrelas ou arder feito cometa
qual modo iluminado
que inventou a tal luneta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s